O advogado e atual corretor de imóveis, Fernando Queiroz, iniciou suas atividades na área imobiliária em 2003. Antes, Queiroz trabalhava exclusivamente como advogado na área de Direito Internacional. Nessa época, por perceber que os investidores estrangeiros solicitavam informações sobre profissionais especializados no mercado imobiliário para consultoria e aquisição de grandes empreendimentos, ele decidiu entrar no ramo da corretagem.

Para o exercício da profissão, Queiroz fez o curso de Técnico em Transações Imobiliárias (TTI) no Centro de Treinamento e Desenvolvimento (Cetrede). Logo após a formação, o corretor foi convidado para atuar como professor no local, onde permanece.
Segundo o profissional, o curso TTI é a pedra fundamental para a atuação. No entanto, ele ponderou que o corretor não deve se acomodar apenas com essa capacitação. “O profissional que se acomoda no TTI estará fadado ao insucesso. É necessário fazer outros cursos como idiomas, avaliação imobiliária e empreendedorismo”, declarou.

Ainda em relação à formação, ele avaliou que a mesma infelizmente deixa a desejar. “Pela falta de melhor formação, os corretores ainda não conseguem visualizar o mundo de oportunidades que podemos explorar como profissionais autônomos ou corretores empresários especializados em outras áreas da profissão”, afirmou.

Compreendendo a necessidade de ampliação dessa capacitação, Queiroz lançou há dois anos, um site informativo, o www.saladocorretor.com para difundir o conhecimento e integrar corretores de todo Brasil.



ATUAÇÃO HOJE
Atualmente, Queiroz trabalha em seu próprio negócio. “Trabalho com minhas ideias em parceria com todos os colegas e instituições que colaboram. Por isso, sou corretor autônomo e presto serviços nas áreas nacional e internacional como consultor imobiliário para empresas do ramo”, explicou.

De acordo com Queiroz, seu trabalho explora uma área que muitos pensam nem existir, pois atua apoiando profissões imobiliárias, com foco na orientação, consultoria e assessoria aos profissionais da área.

DESAFIOS
Vencer a concorrência, para ele, é o maior desafio da categoria. O maior concorrente do profissional moderno, ressaltou Queiroz, é a falta de conhecimento na área em que atua. “Investindo em conhecimento, os outros desafios se tornam menores. Eles envolvem: compreender as necessidades do cliente, organização, pontualidade, apresentação pessoal, atendimento, perseverança e fidelização de clientes”, completou.

FUTURO
Quanto ao futuro, Queiroz disse acreditar que é fundamental o profissional pensar a trabalho de forma integrada com toda a categoria. “Um profissional que pensa na profissão apenas para sua própria satisfação, perde a grande oportunidade de unir forças e trocar experiências com seus colegas de ofício, que juntos podem alavancar o setor do mercado através da colaboração e da parceria”, argumentou.

Além disso, o profissional comentou que quando passar o grande “boom” imobiliário que o Estado está atravessando vai sobrar muito trabalho para administradores de imóveis, avaliadores, e corretores de imóveis que atuam exclusivamente com imóveis avulsos. “Os corretores em massa, que atuam apenas em plantões nas novas incorporações, precisarão de uma readaptação para se ajustarem à futura realidade. Os que já estão se preparando, desde já, para o ciclo pós Minha Casa, Minha Vida e pós Copa do Mundo, terão grande sucesso”, declarou.

Fonte:

Jornal O Estado

Clique aqui para comentar o artigo direto no site do Jornal