Autor


A sala do corretor é uma iniciativa independente oriunda da idéia de seu fundador.

Professor de “Bases Jurídicas do Comércio Imobiliário”, uma das disciplinas do Curso de TTI (Técnico em Transações Imobiliárias), o professor Fernando de Queiroz, também corretor de imóveis e advogado, percebeu que seus alunos, parceiros, colegas advogados e corretores o consultavam para esclarecimentos de dúvidas das mais diversas sobre o estágio obrigatório, assim como, sobre a profissão de corretor de imóveis no Brasil. Primeiramente, para atender a esta demanda, a ele veio à idéia de escrever um livro direcionado ao assunto de técnicas em transações imobiliárias, porém, seus alunos e parceiros necessitavam de respostas mais amplas, rápidas, dinâmicas e de livre acesso. Precisavam de uma “sala”, ou de um local certo com uma coletânea de informações úteis para dirimir as dúvidas dos estagiários e profissionais corretores de imóveis sobre o mercado e o Direito imobiliário.

Imagine-se você, um corretor de imóveis profissional moderno, capacitado e atualizado com relação às novas tendências nas transações imobiliárias do mundo atual.  Do contrário, o que seria de nós corretores sem a utilização da tecnologia da informação? Como estaríamos seguros em fechar um negócio jurídico perfeito desconhecendo os novos diplomas legais tais como os artigos 722 a 729 do novo código civil e o código de defesa do consumidor que punem severamente a imperícia do corretor de imóveis? E as novas técnicas de avaliação de imóveis que seguem normas da ABNT?

Hoje em dia, não se pode mais avaliar um imóvel utilizando-se da antiga técnica do “olhômetro”. Não se pode conceber a idéia de estarmos diante de um negocio jurídico perfeito, não tendo o corretor de imóveis o mínimo de conhecimento da ciência do Direito, pois a lei é clara:

Art. 723 do novo Código Civil brasileiro. O corretor é obrigado a executar a mediação com a diligência e prudência que o negócio requer, prestando ao cliente, espontaneamente, todas as informações sobre o andamento dos negócios; deve, ainda, sob pena de responder por perdas e danos, prestar ao cliente todos os esclarecimentos que estiverem ao seu alcance, acerca da segurança ou risco do negócio, das alterações de valores e do mais que possa influir nos resultados da incumbência.

Foi com base no código de ética profissional dos corretores de imóveis do Brasil (RESOLUÇÃO-COFECI No. 326/92) e em especial no seu artigo 3º., que este portal dedicado aos corretores de imóveis do Brasil foi criado.

Art. 3° – Cumpre ao Corretor de Imóveis, em relação ao exercício da profissão, à classe e aos colegas:

XII – colocar-se a par da legislação vigente e procurar difundi-la a fim de que seja prestigiado e definido o legítimo exercício da profissão….

Para atender à grande demanda por informações relativas às normas de mercado, mudanças nas relações mundiais nas transações imobiliárias e ao mesmo tempo cumprir com sua determinação ética de colocar-se a par e difundir a legislação vigente do nosso país.

“O Brasil está carente de mão-de-obra especializada em todos os setores”

“O mundo está em constante modificação e evolução, e o corretor de imóveis que se limita apenas a expor sua placa de “Vende-se”, a contratar linhas de jornais classificados de sua cidade e a esperar que algum cliente ligue para seu celular, precisa trilhar novos caminhos que o leve ao sucesso da sua profissão”.

“Sejam todos bem-vindos, a sala é nossa”.

Prof. Fernando de Queiroz

www.consultoriajuridicaonline.com