Ética profissional





 

Antes de você se familiarizar com o código de ética do corretor de imóveis conforme a resolução do COFECI abaixo. Clique aqui e leia um importante artigo da FGV – Fundação Getúlio Vargas sobre ética nas empresas

Resolução nº 326 – COFECI Aprova o Código de Ética Profissional dos Corretores de Imóveis. “Ad referendum”

RESOLUÇÃO-COFECI N.º 326/92 Aprova o Código de Ética Profissional dos Corretores de Imóveis.

Fonte:
Site do COFECI

“Ad referendum”
O PRESIDENTE DO CONSELHO FEDERAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS –
COFECI, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 10, item VIII do Decreto N.º
81.871, de 29 de junho de 1978, R E S O L V E:
Art. 1º – Aprovar o anexo CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL.
Art. 2º – A presente Resolução entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições contrárias, especialmente as Resoluções-COFECI nºs 014/78, 037/79 e 145/82.
Brasília-DF, 25 de junho de 1992
WALDYR FRANCISCO LUCIANO
Presidente
RUBEM RIBAS
Diretor 1º Secretário
CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL
Art. 1º – Este Código de Ética Profissional tem por objetivo fixar a forma pela qual deve se conduzir o Corretor de Imóveis, quando no exercício profissional.
Art. 2°- Os deveres do Corretor de Imóveis compreendem, além da defesa do interesse
que lhe é confiado, o zelo do prestígio de sua classe e o aperfeiçoamento da técnica das
transações imobiliárias.
Art. 3° – Cumpre ao Corretor de Imóveis, em relação ao exercício da profissão, à classe e
aos colegas:
I – considerar a profissão como alto título de honra e não praticar nem permitir a prática
de atos que comprometam a sua dignidade;
II – prestigiar as entidades de classe, contribuindo sempre que solicitado, para o sucesso de suas iniciativas em proveito da profissão, dos profissionais e da coletividade;
III – manter constante contato com o Conselho Regional respectivo, procurando aprimorar
o trabalho desse órgão;
IV – zelar pela existência, fins e prestígio dos Conselhos Federal e Regionais, aceitando
mandatos e encargos que lhes forem confiados e cooperar com os que forem investidos em tais
mandatos e encargos;
V – observar os postulados impostos por este Código, exercendo seu mister com
dignidade;
VI – exercer a profissão com zelo, discrição, lealdade e probidade, observando as
prescrições legais e regulamentares;
VII – defender os direitos e prerrogativas profissionais e a reputação da classe;
VIII – zelar pela própria reputação mesmo fora do exercício profissional;
IX – auxiliar a fiscalização do exercício profissional, cuidando do cumprimento deste
Código, comunicando, com discrição e fundamentalmente, aos órgãos competentes, as infrações de que tiver ciência;
X – não se referir desairosamente sobre seus colegas;
XI – relacionar-se com os colegas, dentro dos princípios de consideração, respeito e
solidariedade, em consonância com os preceitos de harmonia da classe;
XII – colocar-se a par da legislação vigente e procurar difundi-la a fim de que seja
prestigiado e definido o legítimo exercício da profissão.

Quer saber mais? Clique aqui para acessar o código de ética